Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Domingo, 02 de outubro de 2022 - 01h10min   <<


chamadas

Matéria 1738, publicada em 08/03/2006.


Na segunda, vereadores defendem a ética. Na terça, tudo não passou de um teatro

Bruna Nicolao e Pollyanna Niehues

A audiência pública que ocorreu na noite de segunda-feira no Plenário da Câmara dos Vereadores de Joinville rendeu uma boa discussão e uma denúncia, feita por um grupo de alunos do Ielusc, contra o vereador Lauro Kalfels (PSL). O intuito era debater a tentativa de suborno feito pelo vereador à jornalista Betina Weber, do jornal A Notícia. O plenário estava cheio, e de todo o público presente, grande parte era de estudantes do Ielusc.

Convidados à mesa da audiência, estavam Sérgio dos Santos, delegado regional da Fenaj, Ilton Maurente, diretor do Sindicato dos Jornalistas, Samuel Lima, coordenador do curso de Comunicação Social do Ielusc e Oliver Albert, repórter do jornal A Notícia. Todos defenderam a atitude exemplar de Betina ao tornar público o suborno. A palavra-chave da audiência foi ética.

A mesa dos vereadores estava parcialmente vazia. Dos 18 vereadores de Joinville, 8 estavam presentes. Entre eles, Carmelina Barjona, Marco Aurélio Marcucci, Marco Aurélio Fernandes, Fábio Dalonso, Júcélio Girardi, Tânia Eberhardt, Darci de Matos e Adilson Mariano, que foi quem convocou a sessão. Todos discursaram durante cinco minutos, ou um pouco mais, para justificar suas posições em relação ao assunto, concordando com a jornalista e aprovando sua coragem. Uma discussão inédita, apoiada pelos vereadores presentes. Mas tudo não passou de um teatro.

Morreu na praia

Ontem, na Câmara, aconteceu uma outra sessão para votar nas denúncias que haviam sido feitas. Dos 10 vereadores presentes, 9 votaram a favor do arquivamento do caso Lauro Kalfels, e Adilson Mariano foi o único que votou contra. O caso de tentativa de suborno foi arquivado.

Robson Silva, assessor de comunicação do vereador Adilson Mariano, explica que “só protocolando novas denúncias é que o caso poderá sair do arquivamento”. Essa seria a única saída para o acontecimento absurdo. A Câmara, por si só, não irá mais agir quanto a esse assunto.

Imagens: Bruna Nicolao

Multimídia

>Ouça o depoimento do vereador Adilson Mariano

>A jornalista Betina Weber também fala com a Revi

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.