Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Sexta-feira, 19 de julho de 2024 - 07h07min   <<


chamadas

Matéria 8157, publicada em 07/04/2009.


Mesmo com turbulência, Dia do Jornalista é comemorado

Marcus Vinícius Carvalheiro


Hoje (7 de abril) é celebrado o Dia do Jornalista. E mesmo com as ameaças que a categoria sofre com a votação do recurso contra o diploma, profissionais da área acreditam que existem motivos para comemoração.

“Eu pessoalmente defendo o diploma”, afirma Nilson Vargas, editor chefe do jornal A Notícia. "A faculdade promove um conhecimento teórico e prático que não se consegue fora da instituição de ensino", completa. Para o editor, um médico pode “saber escrever”, mas no jornalismo sua habilidade se resume a escrever artigos.

Apesar da ameaça, Nilson acredita que a data deve ser preservada não para lembrar apenas dos problemas que cercam a profissão mas, sim, para reafirmar os princípios da categoria, como a humildade e a ética. Para o editor, esses valores revelam um compromisso social que faz parte da essência da atividade diária do jornalista, compromisso que, junto à paixão pela profissão, faz o bom profissional continuar exercendo a função.

Mesmo que a exigência do diploma caia, as universidades continuarão a funcionar e se o número de acadêmicos diminuir, o conteúdo ético aprendido dentro dos muros na faculdade continuará essencial, comenta Nilson. Enquanto houver informação e uma sociedade interessada, haverá “motivos para vivenciar essa data”, afirma o editor.

Nilson acredita em um “bom futuro para o jornalista, o jornalista com J maiúsculo.” Ou seja, explica ele, no jornalista com formação. Mesmo que a exigência do diploma caia, o processo de seleção “continuará o mesmo”, salienta o editor. Algumas mudanças podem ocorrer dentro das redações como o aumento de comentários de outros profissionais. Mas Nilson afirma que o processo de apuração da notícia continuará na mão dos jornalistas formados.

Já para o coordenador do curso de jornalismo, Sílvio Melatti, a data é uma “grande bobagem”. Segundo Melatti, a profissão jornalística não guarda “relação com o calendário”. Na visão do coordenador, um motivo real para comemoração dessa data é a recente mobilização feita pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e pelos sindicatos do ramo. São atos expressivos como as caravanas que levaram jornalistas de todo o Brasil para pressionar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que devem ser lembrados. Na opinião de Sílvio, esses atos provocam e chamam a atenção das autoridades envolvidas na votação. Se os ministros não se preocupavam com as consequências da votação, “nesse dia eles tiveram que se preocupar”, argumenta o coordenador.

Sobre o futuro das empresas de mídia, o coordenador acredita que os bons jornais não contratarão pessoas sem formação, pois os “capitalistas”, donos dessas empresas, não vão desperdiçar seus negócios. Sílvio reconhece que existem pessoas dotadas de um “notório saber”, um conhecimento acumulado sem formação acadêmica, mas são exceções. Os profissionais precisam contrapor, debater, discutir e as empresas precisam de um critério mínimo para contratá-los. Nesse caso, a diferença está no curso superior não só pela técnica aprendida, mas pela “bagagem cultural e humanística” que não se aprende fora das instituições de ensino.

O jornalista, muitas vezes, precisa “matar um leão por dia” e, segundo o coordenador, pessoas sem treinamento não suportariam esse pique: mesmo se produzirem, a qualidade estará comprometida - e baixa qualidade os empresários não querem. SÍlvio reconhece que talvez os pequenos jornais e rádios contratem pessoas não formadas, mas será por um período curto, pois a sociedade exige e a qualidade é essencial.

Na visão de Rejane Gambin, professora do curso de jornalismo do Bom Jesus/Ielusc e locutora da Rádio Floresta Negra FM, a data deve ser comemorada pelas conquistas até agora obtidas. Uma delas é o fato de existirem faculdades e pessoas interessadas na necessidade de levar o assunto a sério, como comunicadores que já trabalhavam na área e agora estão procurando a formação profissional de jornalista.

Rejane destaca: “Uma coisa é o direito de expressão, outra é qualquer pessoa divulgar uma informação que pode ser tomada como verdade pela população”.

Na opinião da jornalista, empresas preocupadas com a qualidade da informação e que possuem um “conceito jornalístico” continuarão validando conhecimentos vitais como ética e impacto da informação.

A data também será marcada por algumas mobilizações do sindicato dos jornalistas de Santa Catarina. Eventos que ocorrerão dias 7, 8 e 9 de abril e terão como tema o julgamento do recurso contra o diploma serão realizados em Concórdia, São Miguel do Oeste, Jaraguá do Sul e Florianópolis. Abaixo seguem os horários e as localidades das mobilizações.

Concórdia: Na delegacia do sindicato, dia 7, às 20 horas, profissionais da imprensa se reunião para um momento festivo com pauta sobre andamento do julgamento.

São Miguel do Oeste: Na Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) ocorrerá, no dia 7, o Momento Jornalismo Unoesc 2009, às 19 horas, no auditório do Campus.

Jaraguá do Sul: Os diretores do sindicato Lúcio Fernando Sassi, Sérgio Homrich e Jorge Luiz Cardoso Pedroso promovem reunião festiva na quarta-feira (8), que será aproveitada para novas sindicalizações. O encontro será às 20 horas, no Bar do Oca, bairro Vila Nova.

Florianópolis: Na quinta-feira (9), os jornalistas de Florianópolis reúnem-se no bar Cachaçaria da Ilha (centro), a partir das 19 horas, para discutir o processo no STF.

Comentários dos leitores
 

  • 4-/-0/2009 -

    Sílvio Melatti [Joinville]:

     

    Frase truncada.

     

    Como assim "não guarda relação com o trabalho"? Como assim "é uma profissão diária"? Isso não faz sentido. O repórter entendeu mal. O que eu disse é que a prática jornalística não guarda relação com o calendário, com as efemérides, porque o jornal tem que sair todo dia, seja (dia) santo ou pagão. Então, se para o jornalista não importa de quê ou de quem seja o dia, o dele próprio importa menos ainda: lhe soa falso, irremediavelmente falso.

  • 800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.