Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Terça-feira, 30 de novembro de 2021 - 06h11min   <<


chamadas

Matéria 7215, publicada em 09/10/2008.


:Carolinne Sagaz

Acadêmico bebe água no bebedouro

Filtro vencido pode ter deixado gosto estranho na água

Carolinne Sagaz


Gosto estranho na água, torneiras sujas e entupidas. Essas foram algumas das reclamações de alguns alunos do Bom Jesus sobre os quatro bebedouros da unidade centro. Segundo o zelador José Valdevino Correia, o seu Zé, a higienização é feita regularmente. Porém, em 2008, o filtro da caixa d'água, que deve ser trocado anualmente, passou da validade aproximadamente dois meses. Esse pode ter sido o motivo do gosto ruim. Para seu Zé, as outras queixas foram exageradas pelos estudantes.

A manutenção do filtro da caixa d'água do campus deveria ter sido feita em julho, no máximo em agosto; no entanto só ocorreu semana passada. Se Zé, que acompanha todo o procedimento, contou que o principal motivo do atraso foram as obras no sistema de esgoto da faculdade, que tomou muito do seu tempo. Jadir Gilson de Araújo, técnico da Filtroville, empresa responsável pela limpeza do filtro, explicou o processo: primeiro, o aparelho recebe uma camada de pedras de quartzo, o que faz a filtragem física, ou seja, remove os resíduos de sujeira. Depois, é adicionado carvão ativado, responsável pela limpeza química. O principal objetivo é amenizar o gosto de cloro.

Cada bebedouro possui seu próprio filtro, que também deve ser higienizado uma vez por ano. Segundo seu Zé, em 2008 a limpeza aconteceu em agosto. O mecânico da CLG Refrigeração, Rafael de Oliveira, contou que nesse caso a manutenção é feita apenas com carvão mineral.

A zeladoria limpa a parte externa dos bebedouros duas vezes por dia. É o que afirma a zeladora Rosa Luiza Borges. Ela explicou que as as torneiras são higienizadas com sabão e que os ralos recebem uma pequena quantidade de água sanitária. O site limpnet, que dá dicas de limpeza, recomenda o uso de cloro e detergente neutro. Porém, segundo a gerente da unidade de vigilância em saúde da Vigiância Sanitária, Jeane Vieira, o órgão não prevê nem a freqüência, nem a maneira correta e os produtos utilizados na limpeza dos bebedouros públicos.

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.