Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Terça-feira, 30 de novembro de 2021 - 07h11min   <<


chamadas

Matéria 6731, publicada em 21/08/2008.


:Djulia Justen

Alunos terão de se esforçar durante o semestre, e não apenas antes do exame

Prova de exame será abolida no Ielusc em 2009

Ariane Pereira


A partir de 2009, o Bom Jesus/Ielusc não terá mais a prova de exame, recuperação para os alunos que não atingiram a média 7,0 durante o semestre. A média passará a ser 6,0 — com o exame, era 5,0 —, e o aluno que não conseguir atingi-la, será reprovado. Não está definida ainda a nova forma de avaliação que será utilizada pelos professores, mas provavelmente haverá três notas durante o semestre. A decisão foi tomada nas reuniões dos colegiados em 2007, aprovada pelo MEC este ano, e valerá para todos os cursos de ensino superior do Ielusc. Outras universidades, como a UFSC, Unisul e Univali, já usam esse sistema há algum tempo.

Um dos objetivos do novo sistema é melhorar a qualidade do ensino na instituição. Sem mais essa chance de recuperação, o estudante teria de se esforçar para ser aprovado na matéria, o que geraria um melhor aproveitamento do semestre. Outro motivo é a revisão do exame — que ocorre quando o aluno questiona a correção da prova. O professor escolhido para a revisão não é o que acompanhou o aluno na disciplina durante o semestre, e avalia apenas a prova de exame, o que nem sempre significa que o estudante está realmente apto a ser aprovado.

Esta decisão deixou alguns alunos satisfeitos, outros, nem tanto. Uma das principais alegações dos estudantes que são contra a extinção do exame é em relação às pessoas que trabalham o dia todo, que muitas vezes não conseguem acompanhar o ritmo da disciplina e dependem do exame para não ter de refazê-la. O coordenador do curso de Comunicação Social, Samuel Pantoja Lima, destaca que em sua experiência como coordenador pôde perceber que as pessoas que têm vários compromissos fora da faculdade geralmente são as mais esforçadas.

O estudante de Publicidade Caio Biagiotto, na fase final do curso, trabalha 40 horas semanais e é a favor da extinção do exame. Para ele, o método adotado obrigará os alunos a se aplicarem mais, e admite que já foi aprovado em disciplinas que não merecia graças à prova de recuperação. Caio observa que os alunos em exame são obrigados a estudar para a prova, o que já deveriam ter feito antes, durante o semestre. Na opinião do estudante, a média 6,0 não é difícil de ser atingida.

Clayton Felipe Silveira, do sexto período de Jornalismo, é contra porque acha que “é muito difícil dar conta do que é exigido”. O estudante foi vice-representante de classe em 2007 e esteve presente na reunião do colegiado de Comunicação Social na qual foi decidido o impasse, por consenso. Felipe também trabalha o dia todo e acha que a faculdade vai ficar ainda mais “puxada” para quem trabalha. Para ele, todos têm ou terão dificuldade em alguma disciplina em certo momento.

A nova regulamentação suscitou debate na comunidade do curso de Jornalismo no Orkut, a “Jornalismo Ielusc”. Rafael Silva, do segundo semestre de Jornalismo, foi um dos participantes mais ativos, e é contra a extinção do exame. Na discussão online, o estudante adotou uma posição radical em relação ao assunto e alega que suas opiniões na comunidade foram exageradas para “chamar a atenção”, pois poucas pessoas estavam cientes da nova medida. Para Rafael, a extinção do exame deveria valer apenas para quem ingressar no Ielusc em 2009, pois se sente “enganado com uma alteração nas regras depois de ter entrado na instituição”.

A Univali já utiliza o método há quatro anos. A média é 6,0 — exceto para as disciplinas de final de curso, cuja média costuma ser 7,0 —, e o sistema foi implantado com o objetivo de melhorar o processo de avaliação e aprendizado. Na Universidade do Vale do Itajaí, o aluno pode contestar a reprovação: uma banca de professores se reúne para avaliar o aluno, mas geralmente o professor que o reprovou não faz parte dessa discussão. A gerente de ensino e avaliação da Univali, Cássia Ferri, diz que a forma como se dá essa revisão depende de cada caso, e os alunos não costumam discutir a reprovação por já terem acompanhado seu desempenho durante o semestre (o processo de avaliação é composto por três notas). Portanto, não são pegos de surpresa.

Ouça uma enquete com os estudantes

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.