Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Quinta-feira, 02 de dezembro de 2021 - 21h12min   <<


chamadas

Matéria 5627, publicada em 04/03/2008.


:Jean Ricardo de Almeida

Lógica óbvia: Fabrício (de costas) e a banca (ao fundo).

Monografia tensiona jornalismo através do teatro do absurdo

Djulia Justen


Foi com as impressões de Francesco que a defesa da monografia “Jornalismo do absurdo”, do estudante Fabrício Porto, teve forma e tonalidade. O trabalho foi apresentado às 21h de sexta-feira (dia 29), na sala C-21. A banca avaliadora, composta pelos professores Sílvio Melatti e Luís Felipe Soares, atualmente professor de cinema da UFSC, conferiu ao trabalho a nota 9,5.

Fabrício PortoSob a orientação da professora Nara Marques, Fabrício estruturou o trabalho teórico em forma de ficção, tanto ;que no texto de apresentação, quem, aos tropeços, defendia sem querer o trabalho era o personagem Francesco. Com base na crítica à logica utilizada no teatro do absurdo, o estudante tensionou o jornalismo de lógica excessiva. Para isso, analisou as reportagens da revista Veja sobre a guerra do Iraque, em que esquematizou categorias como: descontinuidade, narrativa cíclica, à espera de algo e ironia/humor negro/ridículo. Com isso, constatou o absurdo vestido na publicação.

Luís Felipe SoaresO professor Luís Felipe percebeu a diferença entre ficção e análise no trabalho, o que se constituiu erro fatal pois afasta o personagem e chega ao óbvio. Segundo o avaliador, já é de senso comum que a Veja mereça ir à lata do lixo. Outra ponderação foi de que o trabalho é eco de resistências, inclusive a do próprio autor que se recusa a ser um jornalista comum.

Sílvio MelattiO avaliador Sílvio reconheceu as marcas do bom ensaísta no texto de Fabrício, ao ter uma abordagem original e fazer diálogo entre teatro, literatura e jornalismo. E nesta abordagem incluiu a forma que também se utiliza do absurdo. Ao esbarrar nos erros de crase — por ausência e por presença —, questionou ironizando: “Haverá excesso de lógica na crase?”. Para o avaliador, a falha do estudante foi ter ignorado o jornalismo gonzo como questionador da lógica jornalística.

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.