Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Sábado, 04 de dezembro de 2021 - 06h12min   <<


chamadas

Matéria 4679, publicada em 15/08/2007.


:Lorena Trindade

Banca reconheceu importância do trabalho de Sabrina nos dias atuais

Pesquisa sobre aleitamento relembra experiência de estudante

Rafael Alonso


Provavelmente ninguém mais do que Miriam Pedrotti, 40 anos, identificou-se com a monografia “Influência do marketing na substituição do leite materno em favor do leite industrializado”, de Sabrina Schomoeller (PP), apresentada ontem no anfiteatro. Por recomendação médica, Miriam amamentou os dois filhos com leite em pó. De acordo com a estudante do oitavo semestre de jornalismo, os profissionais de saúde negligenciaram o tratamento, pois não a aconselharam a “cuidar do peito”. Na primeira gestação, antes mesmo de iniciar o aleitamento com produto industrial, sofreu inflamação nas glândulas mamárias (a chamada mastite). Com o inchaço da auréola, o ducto que conduz o líquido obstrui-se, causando desconforto e dor. Em situações delicadas, como a de Miriam, podem ocorrer sangramentos.

O mais grave, para Miriam, é a postura dos médicos no momento da indicação. Ela recorda ter utilizado Leite Nan, da Nestlé, e que havia um banner da marca pendurado na parede do consultório. “Era uma clara relação mercadológica. Ainda hoje os médicos ganham comissão”, acusa. Segundo a universitária, cada lata custava em média R$ 17 e durava quatro dias. Devido ao alto valor da mercadoria e à baixa demanda, era necessário encomendar com antecedência ao farmacêutico.

A identificação com o trabalho terminou em elogios. “Temas de relevância social, nesse caso, o de saúde pública, devem nortear as pesquisas”. Ela concluiu dizendo que “está na hora de os professores se ligaram sobre isso”.

O nervosismo de Sabrina Schomoeller não atrapalhou a apresentação. A qualquer sinal amnésico, a ficha com textos prontos amparava-a em prontidão. A autora abriu a apresentação contextualizando o papel da mulher na sociedade, desde os tempos de submissão até o multiuso da vida urbana. No estudo de caso, inquiriu 25 mães — amigas da sua própria e conhecidas, todas de condição financeira estável — sobre o tipo de leite utilizado e as razões da escolha. As conclusões mais importantes foram: boa parte das crianças amamentadas com leite industrial tiveram problemas de saúde; devido ao fator tempo, o leito em pó traz autonomia às mulheres; a força da indicação médica é essencial no processo de escolha; e que 70% das entrevistadas buscariam uma forma diferente de suprir os filhos, primordialmente, se possível, com leite materno.

As reações da banca foram pontuais. Maria Elisa Máximo argumentou sobre o excesso de arbitrariedade na escolha das mães, e que faltou contexto aos questionamentos. Segundo a doutora em antropologia, uma maior diversidade de dados enriqueceria a pesquisa. Em tom provocativo, colocou em xeque a demasiada exaltação do marketing, argumentando que esse não é o único ponto de vista a ser levado em conta no momento de escolha das mães. Pedro Ramirez enalteceu a qualidade do texto e a relevância do tema. As objeções recaíram sobre alguns conceitos do marketing e um possível “olhar pejorativo” diante da publicidade. “É claro que toda empresa é feita pra ter lucro. Mas a forma como o atinge deve ser ética”, ponderou.

Após curta reunião da banca com a orientadora Valdete Niehus, as 26 pessoas restantes no anfiteatro aplaudiram a aprovação, premiada com nota 9.

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.