Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Sexta-feira, 19 de julho de 2024 - 10h07min   <<


chamadas

Matéria 4145, publicada em 17/04/2007.


Equipe joinvilense de futebol americano ainda não conhece a derrota

Roelton Maciel


No último domingo, 15 de abril, o torcedor joinvilense viu o JEC tropeçar novamente no Campeonato Catarinense, ficando ainda mais próximo do rebaixamento. Mas, poucos sabem que na véspera do frustrante empate tricolor em Brusque, um outro time de futebol da cidade deixava o vestiário do Ernestão para somar mais uma vitória no currículo. Os vencedores deste fim de semana, no entanto, não têm a mesma atenção da imprensa e praticam um futebol diferente. Trata-se do Caxias Panzers Football Team, a primeira e única equipe de futebol americano de Joinville.

Os Panzers começaram a se formar no início dos anos 90, quando Dennis Prants, fã do esporte norte-americano, montou um time com alguns amigos. Na época, a equipe ainda se chamava Joinville Blackhawks, e as partidas eram realizadas contra combinados de jogadores de rugby (esporte semelhante). Poucos anos depois, Prants decidiu ficar restrito às características do futebol americano, e deu novo batismo ao time. Nascia, no dia 4 de julho de 1994, o Joinville Panzers. Em 2002, o time selou uma parceria com o Caxias Futebol Clube que, além de ceder a estrutura e as cores, colaborou para dar mais visibilidade ao esporte na região. Seguindo a tradição dos EUA, os Panzers adotaram o nome da franquia que os acolheu, passando a se chamar Caxias Panzers Football Team. E o uniforme alvinegro deu sorte: nestes cinco anos, os joinvilenses jamais foram derrotados.

Atualmente, há 32 atletas defendendo os Panzers. Um deles é Prants, que continua à frente do time, como treinador e quarterback (lançador). Apesar de contar com um dos melhores elencos do país, o clube está sempre à procura de novos talentos. Nos try outs (peneiras), os observadores avaliam o desempenho dos candidatos considerando especialmente a mobilidade, o reflexo e a percepção. Algumas posições exigem características mais específicas, principalmente no setor de defesa.

Numa recente seleção de atletas, o treinador buscava jogadores com mais de 120 quilos. Quatro candidatos foram escolhidos, mas nenhum cumpria o pré-requisito. Porém, quem pensa que o jogo é privilégio dos brutamontes, está enganado. Os wide receivers (receptores), por exemplo, geralmente são jogadores magros e velozes.

No vídeo: touchdown do quarterback Dennis Prants, em jogo contra o Floripa Istepos, no Ernestão.

Um dos líderes do Caxias Panzers é o gerente comercial Fernando Boing. Quando entra em campo, ele cumpre o papel de defensive tackle (defensor). No início, Boing praticamente desconhecia as regras do esporte. "Entrei na equipe sem conhecer absolutamente nada de futebol americano. Porém, com três meses de time já estava habituado e sabendo o que precisava executar em cada posição", ressalta. Desde a estréia, mais de seis anos se passaram. Hoje, Fernando Boing exerce o posto de presidente dos Panzers e também auxilia nos treinamentos. Segundo o atleta/presidente, apenas os jogadores veteranos são mais exigidos. Os novatos só participam das partidas quando dominam plenamente as regras e as táticas.

Ainda vivo na memória do torcedor joinvilense, o estádio Ernesto Schlemm Sobrinho, o Ernestão, teve seu gramado pintado em jardas e hoje abriga disputas com uma bola diferente. As traves foram adaptadas e a torcida já não grita mais "gol" – a palavra da vez é touchdown (pontuação máxima).

Em jogos normais, a média de público fica entre 200 a 500 torcedores. Na última final, mais de mil pessoas viram os Caxias Panzers derrotar o Brusque Admirals e se sagrar campeão catarinense. Com exceção dos treinos em véspera de jogo, realizados no próprio Ernestão, a equipe costuma treinar no campo do Fluminense, do bairro Itaum. Durante a semana, os atletas também realizam exercícios individuais.

Este ano, dois campeonatos preenchem o calendário do time: o SC Bowl, promovido pela LCFA (Liga Catarinense de Futebol Americano), e o Sul Bowl, disputado pelos 1º e 2º colocados de cada estado da região sul do país. Os Panzers defendem o título nas duas competições.

Em 2008 deve ser realizado o primeiro Campeonato Brasileiro de Futebol Americano. Boing estima que haja cerca de 90 equipes no Brasil, e lembra que outras ainda estão sendo montadas. "Só em Santa Catarina são mais quatro se formando". De acordo com o presidente do alvinegro, cidades como Tubarão, Lages, São Miguel d'Oeste e Barra Velha devem ser as próximas a despontar no cenário do football tupiniquim.

De olho na competição nacional e dispostos a confirmar o favoritismo conquistado em quase 13 anos de conquistas , a diretoria do Caxias Panzers luta para conseguir um bom patrocínio. Na disputa do Brasileiro, os atletas precisarão de proteções e capacetes. São necessários, pelo menos, 40 conjuntos, que custariam cerca de 15 mil reais. Nos últimos meses, os Panzers tentaram, em vão, obter apoio da Fundação Municipal de Esporte.

Confira no infográfico abaixo, as diferenças básicas entre o futebol tradicional e o futebol americano.

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.