Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Sábado, 04 de dezembro de 2021 - 06h12min   <<


chamadas

Matéria 2977, publicada em 17/10/2006.


:Letícia Caroline

Venício Lima abriu a Semana Acadêmica de Comunicação

O papel da mídia no conceito de cidadania foi tema da discussão

Jouber Castro


"Comunicação, poder e cidadania”. Esse foi o eixo da discussão na abertura da Semana Acadêmica de Comunicação, realizada na sala de convenções do Hotel Le Village, na noite de segunda-feira (16.10). O responsável pela condução do debate foi o Profº. Dr. Venício Lima, da Universidade de Brasília. A abertura ficou por conta do Coral do Bom Jesus/Ielusc.

Logo após a fala do coordenador do curso de Comunicação Social, Samuca Pantoja Lima, e a constituição da mesa com Pedro Ramirez (coordenador de Publicidade e Propaganda), Juciano Lacerda (representante do Necom) e Tadiana Moreira (representante da direção da Instituição), o profº Venício elucidou, por cerca de 50 minutos, os conceitos de comunicação, poder e cidadania, contextualizando-os entre si. “A mídia democratizada é condição de existência dos direitos políticos”, disse o teórico.

“A cidadania”, disse Venício, esclarecendo a definição do termo, “pode ser dividida em três dimensões: civil, política e social. Ao meu ver, a comunicação é o único campo que perpassa todas”. Com o espaço aberto para perguntas dos professores e acadêmicos da platéia a Venício, a discussão ganhou fôlego, e caminhou principalmente pelos comentários sobre a corrida eleitoral e o contexto político-midiático brasileiro. “Numa democracia, as partes são mais importantes que a totalidade, tornando a sociedade individualista. No Brasil, esse conceito de cidadania não pode ser aplicado, pois o todo ainda se sobrepõe às partes”, afirmou o professor. E complementou: “Quem mais se aproxima desse conceito são os países de origem anglo-saxônica. Mesmo assim, a cidadania plena ainda está muito distante. É uma utopia”. Venício atribuiu a responsabilidade do problema em grande parte à mídia, “pois não se conhece mais a fronteira entre real e ficção, entre jornalismo e entretenimento”.

Cerca de duas horas antes da palestra, Venício Lima concedeu entrevista à Revi. Clique nos links e ouça trechos da conversa.

"Tem uma lógica da profissão que não é ensinada na escola".

"Estamos atravessando um momento de crise do jornalismo".

"A sociedade civil brasileira não é como era há 20 anos".

"Cobertura isenta, pelo menos equilibrada, é possível".

"As oligarquias controlam o pode político e a mídia".

"Seria bom para o jornalismo uma entidade como a OAB".

"O compromisso ético tem que ser o orientador da profissão".

"Reforma política poderá corrigir algumas distorções".

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.