Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Sexta-feira, 19 de julho de 2024 - 08h07min   <<


chamadas

Matéria 1152, publicada em 20/05/2005.


Velhos e novos nomes da nova MPB

Jessé Giotti

Ed Motta, Lenine, Tom Zé, Zéia Duncan, Chico César, Luiz Melodia, Paulinho Moska, Adriana Calcanhoto, Jorge Vercilo, Zeca Baleiro, Paula Lima, Moreno Veloso, Simoninha, Jair Oliveira, Patrícia Coelho, Bukassa, Nando Reis, Max de Castro, Maria Rita, Pedro Mariano, Fernanda Porto, Seu Jorge, Tribalistas e Los Hermanos. Estes são alguns dos novos nomes da velha e sempre renovada MPB.

A maioria é reconhecida internacionalmente pela qualidade da música que produz. Seu Jorge teve seu último álbum (“Cru”) distribuído primeiro na Europa depois no Brasil. O site oficial de Seu Jorge tem versão em português e inglês. Na agenda do artista constam mais shows na Europa do que por aqui. A França merece uma agenda à parte no site do músico carioca. Maria Rita foi premiada em três categorias no último Grammy latino: revelação do ano, melhor disco de MPB e melhor canção do ano. Ed Motta compara o primeiro álbum de Max de Castro – “Samba Raro” (1999) - a “Sjt. Pepper's”, um dos maiores sucessos do Beatles. Esses são exemplos de músicos brasileiros que, apesar da qualidade, são pouco vistos e ouvidos por aqui.

“A música brasileira está mais aberta, sem aquela coisa careta dos anos 70, quando a pessoa tinha de tomar partido se era da passeata ou da guitarra, sem estereótipos, e sem aquilo dos anos 80 de negar a brasilidade”, diz Max em seu site oficial. A música dele é suingada e enriquecida com arranjos de sons eletrônicos. Ele faz um mixer de levadas de soul americano, sons de DJs brasileiros e batuques clássicos.

Para Seu Jorge, que se define como um cantor e compositor popular, o ritmo fundamental da música brasileira é o samba. No site oficial, ele diz: "O samba é a nossa verdade, nossa particularidade, é nossa medalha de ouro, nosso baluarte, nosso estandarte brasileiro". Tom Zé acaba de lançar o álbum “Estudando o Pagode”. O músico já tinha um álbum com o título “Estudando o Samba” (1976), que segundo ele foi uma homenagem ao ritmo. Nos anos 90 o músico fez uma série de turnês pelos Estados Unidos e Europa. Ele ainda se apresenta em prestigiados festivais de jazz e em clubes de música de vanguarda em vários países.

No ano passado a revista “Rolling Stone” classificou o CD “The Best of Tom Zé” (1990), lançado nos Estados Unidos, entre os dez melhores da década de 90. No site da gravadora Trama há mais informações sobre o novo trabalho de Tom Zé e de vários outros integrantes da nova música brasileira. Há também a turma do som black, que faz hip hop e rhythm’n’blues, como Rappin’Hood. A nova música popular brasileira tem como característica principal a mistura de ritmos e a falta de contornos duros em suas melodias. É plurirítmica.

Ouça algumas músicas da nova MPB

Cotidiano - Chico Buarque de Holanda.
Cara valente - Marcelo Camelo.
O nego do cabelo bom - Max de Castro.
Colombina - Ed Motta.
O amor é um rock - Tom Zé.

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.