Revi Bom Jesus/Ielusc

>>  Joinville - Terça-feira, 30 de novembro de 2021 - 07h11min   <<


chamadas

Matéria 0127, publicada em 25/03/2003.


Acadêmicos de Turismo participam do Fórum Social das Águas

BLPW

O tema é cristalino. Enquanto tropas do exército americano disputam a guarda do petróleo no Iraque, em Cotia, na grande São Paulo, a guerra perdeu o espaço para a atual situação e destino dos recursos hídricos nacionais. O Fórum Social das Águas do Brasil foi uma iniciativa do movimento Grito das Águas, dedicado à mobilização comunitária em defesa da preservação de todo recurso hídrico e florestal. Os debates reuniram representantes de organizações da sociedade civil do dia 16 de março até domingo, dia 23.

Participaram desse evento os alunos Ivandir Hardt e Samir Alexandre Rocha, do oitavo período do curso de Turismo do IELUSC. Os acadêmicos seguiram para o fórum na quarta-feira, dia 19, interessados em obter informações e subsídios para discutir a qualidade da água da nossa região, o abastecimento, assim como o tratamento do esgoto público.

Na época do apagão, em dezembro de 2001 aconteceu o primeiro encontro tendo como sede a cidade de Alfenas, situada no interior de Minas Gerais. Na ocasião, o assunto principal foi a escassez de recursos hídricos, tendo em vista que 90% da energia consumida no país provém de origem hidráulica. Evaporava-se aos poucos a idéia de uma nação inesgotavelmente abastecida.

Na mesma data de realização do fórum brasileiro, o oriente também abriu espaço para debates sobre a temática do recurso natural no III Fórum Mundial das Águas. Mais precisamente em Kyoto, no Japão, o encontro promovido pelo sistema das Nações Unidas estudou uma estratégia global para evitar o agravamento da situação hídrica mundial.

A conscientização da sociedade tende a atenuar desperdícios e inovar métodos econômicos. Segundo Leonardo Morelli, representante do Grito das Águas, a água é o petróleo deste século. "O Brasil tem a maior reserva hídrica do mundo e o domínio de nossas fontes de águas já começou com privatizações", afirma Morelli. "Se deixarmos a água virar uma mercadoria, o Brasil pode vir a ser o Iraque do século 21". Com o fórum, pretende-se encontrar meios de tornar a água um recurso natural economicamente viável cujo acesso seja facilitado e socialmente justo.

'

800x600. ©2005 Agência Experimental de Jornalismo/Revi & Secord/Rede Bonja.